Advertisement
Advertisement
Advertisement

“Mais de duas horas de Hard Rock em show do Slash e banda em São Paulo”

2 fevereiro, 2024
“Mais de duas horas de Hard Rock em show do Slash e banda em São Paulo”

Foto: Rogério Talarico

 

Texto por Otávio Juliano – Instagram @showsbyotavio

Advertisement

Fotos por Rogério Talarico – Instagram @rogeriotalarico

Slash é um daqueles músicos que você conhece, mesmo sem conhecê-lo. Seja você um apreciador de Rock ou não, a figura do guitarrista com sua inconfundível e inseparável cartola preta é mundialmente conhecida, até por aqueles que sequer ouvem Guns N’ Roses.

Mas obviamente o músico é muito mais do que apenas um rosto famoso ou o integrante da citada banda que o consagrou nos anos 80. Slash possui uma consolidada carreira solo, especialmente na última década, quando fixou uma forte parceria com seus companheiros de banda, Myles, Todd, Brent e Frank.

Trazendo ao Brasil a turnê “The River is Rising ‘24 – Rest of the World”, a apresentação na capital paulista foi a segunda de um total de quatro, mais uma vez no local que parece ser mesmo o preferido de Slash para seus shows na cidade: o Espaço Unimed (o guitarrista tocou por lá nas três últimas passagens, em 2012, 2015 e 2019, à época sob o nome de Espaço das Américas).

Com um show de mais de duas horas, o repertório não trouxe surpresas em relação ao que havia sido executado dois dias antes, em Belo Horizonte, sendo bastante focado nas composições do disco “4” (2022), o mais recente lançado por Slash e banda.

Das 24 canções tocadas, 7 delas foram extraídas do mencionado álbum, que tem um total de 10. Isso talvez tenha sido justamente o ponto que levou o público a não corresponder tão bem em certos momentos do show, quando a pista pareceu ficar menos agitada que o habitual.

As faixas “C’est la vie”, com Slash utilizando “talk box” para produzir efeitos sonoros diferenciados, e “Spirit Love”, com o público acompanhando com palmas, foram pontos de destaque, enquanto “April Fool”, por exemplo, não pareceu mesmo empolgar a plateia.

Sem espaço para pirotecnia ou qualquer superprodução, Slash e banda vão direto ao ponto no palco. O objetivo principal é a música e são poucas as falas e interações com o público, que acabam por se limitar a alguns “obrigado”, anúncios de músicas e apresentações dos integrantes entre si.

Os momentos de maior empolgação acabaram ficando por conta de faixas dos discos que emplacaram mais hits no passado, como “Halo”, do “Apocalyptic Love” (2012) e “World on Fire”, do disco autointitulado de 2014.

As canções da estreia do guitarrista em carreira solo, do álbum “Slash”, de 2010, sempre funcionam muito bem ao vivo e desta vez não foi diferente. “Doctor Alibi” originalmente gavada pelo saudoso Lemmy Kilmister (Motörhead), teve Todd assumindo o vocal, assim como fez em mais dois momentos durante a noite. “Starlight”, que teve Myles Kennedy em estúdio, é outro exemplo de um ponto alto do show, sendo um importante marco da parceria formada pelo vocalista e por Slash dessa gravação em diante.

Como já era esperado, Slash não inclui sucessos do Guns N’ Roses em seu repertório solo desde que retornou à banda, com exceção de uma ou outra música. Em 2019, “Nightrain” foi a escolhida. Dessa vez, Slash surpreendeu a todos e optou por uma canção mais “lado B” do disco “Use Your Illusion I” (1991) – a acelerada “Don’t Damn Me”, cantada por Todd e que o Guns N’ Roses mesmo nunca a tocou ao vivo.

Quando o show se encaminhava para a parte final, Slash aproveitou para abusar dos solos de guitarra, com destaque para um bastante longo em “Wicked Stone”, ocasião em que o guitarrista foi para o outro lado do palco. Para o retorno do bis, a banda reservou para o público uma bonita versão de “Rocket Man”, do Elton John, com Brent no teclado e Slash tocando sua lap steel guitar (também chamada de guitarra havaiana), além de “Anastasia”.

Mais cedo – Velvet Chains

Atração do festival Summer Breeze Brasil em 2023, na oportunidade a banda Velvet Chains também esteve nos estúdios da Kiss FM, em abril do ano passado. Formada por músicos de diversas nacionalidades e baseada em Las Vegas, nos Estados Unidos, a banda lançou diversos singles no último ano e foi escalada para abrir os shows o Slash.

Em trinta minutos, o Velvet Chains trouxe no repertório canções como “Eyes Closed”, “Last Drop” e um cover de “Suspicious Minds” (Elvis Presley), recentemente lançado nas plataformas digitais.

Agradecimentos à 30e e Trovoa Comunicação pela atenção e credenciamento da equipe da rádio.

Banda – Slash:

Myles Kennedy (vocal)

Todd Kerns (baixo)

Brent Fitz (bateria)

Frank Sidoris (guitarra)

Slash (guitarra)

Setlist:

The River Is Rising

Driving Rain

Halo

Apocalyptic Love

Back From Cali

Whatever Gets You By

C’est la vie

Actions Speak Louder Than Words

Always on the Run (Lenny Kravitz)

Bent to Fly

Sugar Cane

Spirit Love

Speed Parade (Slash’s Snakepit)

We Will Roam

Don’t Damn Me (Guns N’ Roses)

Starlight

Wicked Stone

April Fool

Fill My World

Doctor Alibi

You’re a Lie

World on Fire

Bis:

Rocket Man (I Think It’s Going to Be a Long, Long Time) (Elton John)

Anastasia

 

 

Fonte: Kiss FM – Redação

Advertisement


NOTÍCIAS
RECEBA NOTÍCIAS DO MUNDO DO ROCK E PARTICIPE DOS NOSSOS CONCURSOS
Kiss FM 92.5

Avenida Paulista, 2200 - 15º andar - São Paulo/SP

atendimento@kissfm.com.br

WhatsApp do ouvinte: 11 99887.4343

Kiss FM